terça-feira, 11 de setembro de 2012

Gestão de Logística aplicada ao serviço ao Cliente


Com a explosão do serviço ao cliente, ressaltando o valor de uso do produto, uma vez que estes não têm valor até que eles estejam nas mãos dos clientes na hora e lugar exigidos, fez com que o gerenciamento logístico passasse a ser prioritário.  O mercado está aquecido e cada vez mais precisou de líderes comprometidos em nossas organizações, à exigência mudou, já passamos a fase dos "chefes", as empresas estão se profissionalizando e a Gestão também, hoje o espaço do chefe está sendo mudado para o "coach". Muitas empresas já estão capacitando suas lideres para administrar nessa nova forma, o que será o tema desse artigo.

As empresas tendem a encurtar o fluxo logístico se os trazendo para próximo de suas plantas o que permite a operação adotando-se os princípios de Just - in -Time na entrega, e na fabricação, agilizando a colocação dos produtos no mercado.

A visibilidade do fluxo logístico é de vital importância para a identificação dos gargalos de produção e na redução dos estoques, para isto as barreiras departamentais devem ser quebradas e as informações compartilhadas. As estruturas devem ser voltadas para o mercado, caracterizadas pela qualidade dos sistemas de informação. O processo logístico deve ser gerenciado de forma sistêmica , pela importância na combinação da capacidade de produção com as necessidades do mercado. É importante que o processo reconheça os inter-relacionamentos e interligações da cadeia de eventos que conectam fornecedor ao cliente.

É importante entender que o impacto de uma decisão em qualquer parte do sistema causará reflexos no sistema inteiro.

Os gerentes devem identificar como finalidade principal adicionar valor ao seu negócio pelo enfoque no fluxo de materiais.

A logística tem como essência a preocupação de obter vantagem competitiva em mercados cada vez mais voláteis, sobrevivendo às empresas que conseguirem adicionar valor ao cliente em prazos cada vez menores.

A vantagem competitiva é conseguida através de uma estratégia de serviços e um sistema de entregas bem desenvolvido esistemático. Com o ciclo de vida dos produtos cada vez menores, os usuários cada vez mais inclinados a aceitar produtos substitutos se sua primeira escolha não estiver disponível imediatamente, a cada introdução de um novo produto resulta em implicações gerenciais causadas pela redução do tempo. Comentam-se sobre a necessidade de novas formas de gerenciar o processo de desenvolvimento de novos produtos, associações de risco e da necessidade da melhoria na qualidade do retorno da informação recebida do mercado, fazendo sua ligação com o esforço de produção e distribuição da empresa. Entretanto uma das funções básicas da logística é proporcionar a "disponibilidade" e promover a integração entre o marketing e o planejamento de fabricação.

Dos problemas estratégicos que as empresas enfrentam hoje, decorrente da mudança no conteúdo competitivo das organizações o mais desafiante talvez seja o da logística. Que deverá enfrentar tais desafios:

·Explosão do serviço ao cliente

·Compressão do tempo

·Globalização da indústria

·Integração organizacional

Explosão do Serviço ao cliente

Concluindo, para obtenção de uma vantagem competitiva duradoura, é necessária uma abordagem nova e diferente para o gerenciamento dos prazos.

A tendência global é mais um desafio para o gerenciamento logístico. As empresas que atendem ao mercado mundial não podem ser simplesmente uma multinacional e sim uma empresa global, considerando que ela atenderá a diferentes mercados com necessidades e características culturais próprias.

Em função disto é necessário que as empresas desenvolvam uma estratégia de fabricação flexível e processo logístico eficiente. O modelo da organização clássica - a empresa baseada em divisões funcionais e hierárquicas rigorosas - dificulta a obtenção de um fluxo de materiais completamente integrado e voltado para o cliente.

Os desafios enfrentados pelas empresas mudaram, atualmente para alcançar a posição de vantagem competitiva contínua, as organizações precisam se basear num sistema de gerenciamento integrado voltado para o mercado, e pessoas que valorizam os serviços.Serão valorizados os profissionais generalistas, capazes de integrar o gerenciamento de materiais com o gerenciamento de operações e entrega. Eles serão orientados pelo mercado, tendo como fonte de vantagem competitiva, os serviços ao cliente. 

Embora tradicionalmente a Administração da Produção tivesse como objetivo de estudo os setores produtivos das empresas industriais, atualmente muitas das suas técnicas vêm sendo aplicadas em atividades de serviços como bancos, escolas, hospitais, etc.
Formalmente, segundo diz o autor Daniel Moreira, a Administração da Produção e Operações é o estudo de técnicas e conceitos aplicáveis à tomada de decisões nas funções de produção (empresas industriais) e operações (empresas de serviços).
Os conceitos e técnicas que fazem parte do objetivo da Administração da Produção dizem respeito às funções administrativas clássicas (planejamento, organização, direção e controle) aplicadas às atividades envolvidas com a produção física de um produto ou à prestação de um serviço.
A Revolução industrial dos séculos XVIII e XIX preparou o caminho para a moderna Administração da Produção e Operações, mas foi mesmo com os grandes avanços que se deram no século XX particularmente nos Estados Unidos que as técnicas e instrumentos de gestão da produção se difundiram por inúmeros países.

Durante a década de 70, a Administração da Produção adquiriu nos Estados Unidos e a nível mundial, uma posição de destaque na moderna empresa industrial. Os fatos históricos que levaram a essa posição foram o declínio norte americano em termos de produtividade industrial e no comércio mundial de manufaturas, e o crescimento de algumas potências nesses aspectos como o Japão, que há mais de 30 anos vem encarando a produção industrial e a geração de novos produtos como os elementos-chave no mercado interno e a nível internacional.

Ao longo desse processo de modernização da produção, a figura do consumidor tem sido o foco principal, pois é a procura da satisfação do consumidor que tem levado as empresas a se atualizarem com novas técnicas de produção cada vez mais eficazes, eficientes e de alta produtividade
A tecnologia da informação, os recursos tecnológicos materiais e os serviços oferecidos para o processo logístico estão evoluindo constantemente e desta forma as empresas podem fazer as suas escolhas, diante de diversas opções, tanto de software como de equipamentos, indo à busca daquilo que mais se adéqua às suas necessidades. É possível reconhecer que a emergência das regras de logística que envolve novas estratégias de manufatura e estruturas organizacionais surge como resposta às novas pressões competitivas. A logística empresarial atua diretamente em dois aspectos fundamentais no que se refere à competitividade empresarial:

− Redução do custo Total de Produção (beneficiando o setor produtivo, por meio de melhorias funcionais na área).

− Maior flexibilidade no sistema logístico, contribui para a fidelização e captação de novos clientes. (por meio de uma visão mais ampla do campo de atuação do conceito logístico).

As alterações no ambiente competitivo requisitam um realinhamento das regras logísticas, e a presente pesquisa através dos estudos de casos, demonstraram a importância da visualização da logística empresarial num âmbito maior, isto é, interpretar as funcionalidades das atividades logísticas direcionadas às estratégias da organização.

Apesar de todo avanço na área logística, nota-se que ainda existem grandes melhorias por vir, melhorias estas que beneficiarão as organizações e a sociedade como um todo.

            Dentre estes recursos disponíveis no mercado podem-se citar diversos, os quais abrangerão as necessidades de todos os tipos de usuários como:

Consultoria e treinamento (Assessoria, projetos, palestras e eventos);

Recursos de movimentação e armazenagem (Balanças, revestimentos de pisos, demarcações, faixas, portas especiais, cortinas, escadas, rampas, produtos de segurança, alimentadores, redutores e imóveis);

Estruturas de estocagem (Armazéns, galpões, reservatórios, tanques, silos mezaninos, pontes rolantes, transelevadores, armários modulares, gaveteiros, carrosséis verticais e horizontais e sistemas de estocagem).

Serviços de logística (Operadores logísticos), armadores, desembaraço aduaneiro, terminais diversos, armazéns gerais, motoboys, distribuição física, transportes marítimos, aéreo, ferroviário, rodoviário, terceirização de mão de obra para movimentação, gestão de embalagens retornáveis, seguros e escoltas de cargas;

Identificação e automação industrial e comercial (Código de barras (etiquetas impressoras, coletores, scanners, terminais de radiofrequência, software), softwares (WMS, estoque, ERP, MRP, SCM, de simulação, sistemas logísticos e otimização de cargas, de transporte e frota, rastreadores);

Transportadores contínuos (correias, correntes, canecas, elevadores, assessórios para transportadores contínuos, carregadores, transportadores diversos);

Embalagens, recipientes e utilizadores (Racks, caçambas, paletes e acessórios, estrados, caixas engradados, aplicadores diversos, cantoneiras para reforço de embalagens, estabilizadores de caixas, embalagens (impressoras, máquinas para fechamento, separadores)).

Veículos e máquinas industriais (Empilhadeiras, carrinhos, carretas, caminhões, carros elétricos, escavadeiras, guindastes, pás-carregadeiras, retroescavadeiras, guinchos, rebocadores, tratores).

A combinação desses aplicativos conduz para a otimização do sistema logístico e melhora o processo de gestão integrada dos diversos componentes, ou seja, estoques, armazenagem, transporte, processamento de pedidos, compras e manufatura. 

Referências Bibliográficas

http://artigos.netsaber.com.br/resumo_artigo_21944/artigo_sobre_log%C3%8Dstica_e_a_estrategia_competitiva

http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2003_TR0112_0375.pdf

eco.unne.edu.ar/contabilidad/costos/VIIIcongreso/298.doc
http://www.administradores.com.br/membro…